Blog

O Ministro Paulo Guedes e o Sistema S

O Ministro Paulo Guedes e o Sistema S

O debate sobre o custo do Sistema S (Sesi, Sesc, Sebrae, entre outros) sobre a folha de salários das empresas vem ganhando o noticiário através de fortes declarações do Ministro da Economia, Paulo Guedes.

São aproximadamente R$ 18 bilhões de reais que deixam o caixa das empresas e são direcionados para essas entidades por repasse da Receita Federal. Para cada R$ 100.000 em folha de salários, há um encargo de R$ 5.800 para o empregador.

Separamos alguns trechos de comentários do Ministro da Economia sobre o modelo, a necessidade de enxugar os gastos, bem como a denúncia de possíveis desvios.

…Como você pode cortar isso, cortar aquilo e não cortar no Sistema S também. Tem que meter a faca no sistema S também.
(Em palestra na FIRJAN – 17/12/2018)

Nada contra a educação no sistema S, mas você recolhe 100, gasta 20 com educação e 80 financiando campanha política, tentando aprovar legislação favorável, comprar prédio no Rio de Janeiro para diretor. Está sobrando dinheiro
(Em palestra para empresários, em Campos do Jordão – 05/04/2019)

Por outro lado, o Sistema S conta com uma considerável rede de defesa política. O principal argumento é de que este é um sistema que funciona e gera benefícios com capacitação e educação dos seus beneficiários.

Independente do debate político, o que é questionável, e o Ministro poderia inclusive mencionar, é a base de cálculo das contribuições ao Sistema S. Hoje o recolhimento é calculado sobre a folha de salários, o que é inconstitucional a partir da Emenda Constitucional nº 33, de 2001.

A Justiça Federal de São Paulo concedeu decisões favoráveis a grandes empresas como Pepsico, Sanofi e Oracle para deixarem de recolher essas contribuições. Os argumentos são consistentes e o impacto pode alcançar 5,8% de economia sobre a folha de salários.

Se o momento é de cortar custos, a sugestão do Ministro da Economia é muito bem vinda.

Caso queira se aprofundar no tema, entre em contato conosco.

Neste mês de abril daremos destaque à outra discussão, cujo impacto fiscal pode ultrapassar R$ 10 bilhões, a exclusão do ICMS da base de Cálculo da CPRB. O tema foi julgado de forma favorável aos contribuintes sob a sistemática dos recursos repetitivos pelo STJ e possui bastante relevância ao setor de transportes, tecnologia da informação, construção civil, teleatendimento, dentre outros.

Um forte abraço.
Daniel Ávila

Deixe um comentário

NOSSOS CLIENTES

Mais de 150 clientes confiaram em nós

Nike
Votorantin
Burger King
Pepsico
BRF